Home Games Dragon Quest Builders 2 : Um Minecraft evoluído
Dragon Quest Builders 2 : Um Minecraft evoluído

Dragon Quest Builders 2 : Um Minecraft evoluído

7
0

Dragon Quest Builders 2 é a continuação do game de mesmo título lançado em 2016. Considerando que levaram apenas 3 anos para criar essa continuação, o resultado final é impressionante. A maioria dos problemas do primeiro game foram resolvidos, e a quantidade de conteúdo aumentou exponencialmente.

Esse nível de dedicação ao game é ainda mais impressionante quando se compara ao Minecraft. O game de blocos da Microsoft, em questão de conteúdo, não mudou consideravelmente na última década. E a ironia é que Dragon Quest Builders é coloquialmente chamado “clone do Minecraft”.

Porém é injusto comparar esses dois games. Eles têm focos diferentes. Minecraft é primeiramente uma caixa de ferramentas que você monta o que quiser com os objetos à sua disposição. Dragon Quest Builders 2 é primeiramente um jRPG com forte lado criativo.

 

Um Minecraft para quem não gosta de Minecraft

Minecraft é um game interessante. Seu aspecto mais forte é a sua simplicidade. Basicamente um Lego digital. Você precisa usar sua imaginação para apreciar o que o game tem a oferecer.

Dragon Quest Builders é o oposto. Você tem objetivos claros, e não é possível prosseguir fora de ordem. Por mais que seja bem mais restritivo, essas restrições fazem com que o mundo seja muito mais vivo, visto que personagens interagem com esse mundo de forma mais concreta. Eles te pedem para construir coisas que precisam, e eles fazem uso de suas criações. Eles têm uma rotina, e quanto mais você criar, mais eles poderão fazer, inclusive te ajudar nas construções.

Captura de tela mostrando diversas plantações em uma fazenda na primeira ilha
Na primeira ilha você precisa cultivar diversos tipos de plantações

E esse é o ponto forte de Dragon Quest Builders. Em comparação, Minecraft dá a impressão de ser vago e vazio. Você pode construir uma cidade detalhada, mas os aldeões apenas vagarão por ela; eles não interagem com suas criações.

De certa forma, Minecraft se parece mais como uma ferramenta de criação do que um game em si. Se você não tem a intenção de criar algo unicamente seu, Minecraft dificilmente manterá seu interesse.

 

Nem tudo é bloco em Dragon Quest Builders

Em Dragon Quest Builders, você pode criar uma quantidade impressionante de itens nos mais variados estilos. E quando você cria uma cadeira, os personagens podem sentar nela. Não apenas o jogador. Os NPCs (personagens controlados pelo computador) farão uso das suas criações. Se você criar uma cozinha, eles irão cozinhar nela. Se você construir uma mesa e colocar pratos nela, eles vão colocar a comida ali antes de consumí-la.

Jogador frente à uma construção que usa blocos e itens normais
Você constrói com uma mistura de blocos e itens normais, criando um visual variado e interessante

O mundo é muito mais vivo nesse sentido. Há sempre um motivo para construir algo. Os personagens também tem necessidades únicas e vão pedir para você criar algo que supra essas necessidades. Para muitos, esse aspecto não é interessante porque rouba a espontaneidade do jogador. Você precisa completar capítulos para descobrir esquemas antes de poder construir muitos dos itens que o jogo oferece. Em Minecraft, contanto que você tenha os materiais, você pode criar o que quiser, quando quiser.

 

Uma versão aprimorada

Dragon Quest Builders 2 traz tantas melhorias que torna o game original quase que obsoleto.

A primeira melhoria já começa na interface. Ficou mais intuitivo trocar e usar ferramentas. Gerenciar seu inventário também é mais simples. Você tem um mapa, e pode se teleportar de um lugar para o outro de forma mais simplificada.

Você também pode carregar muito mais objetos logo do começo. Os limites são mais generosos, e as ferramentas não têm mais durabilidade, então você não precisa construir 5 espadas antes de sair numa aventura com medo de gastar todas antes de completar a jornada.

Falando em ferramentas, há diversas novas ferramentas. Uma delas é uma jarra que permite coletar e colocar água onde quiser. Outra permite fácil troca e aplicação de diversos blocos de uma só vez. Foi adicionado também um modo em primeira pessoa para facilitar a colocação de blocos em lugares apertados.

Em questão de mobilidade, você pode nadar agora. Seu personagem também ganha uma ferramenta que te permite planar de lugares altos e cobrir grandes distâncias rapidamente. E sem uma barra de fôlego como em Breath of the Wild!

Jogador explorando um cenário submerso em água
No primeiro game não era possível explorar embaixo d’água

 

Um mundo interessante

Não é à toa que Dragon Quest é uma série amada por tantos mundo afora. Os personagens têm personalidades marcantes, mas sempre carismáticos. O mundo é acolhedor, com seus elementos sempre trabalhando com o intuito de fazer o jogador se sentir um herói altruísta e generoso.

Assim como Final Fantasy, cada game tem uma trama própria. Alguns acontecem no mesmo mundo, e às vezes há personagens em comum. Por mais que não fique claro, esse game acontece no mesmo mundo do primeiro Builders. Mas a história não depende de conhecimento do primeiro jogo.

A trama é simples. Um grupo conhecido como Children of Hargon convenceu os habitantes de diversas ilhas que o ato de construir é pecaminoso, instigando medo de criar.

Cena do vídeo de abertura do jogo Dragon Quest Builders 2 com personagens enfrentando hordas de inimigos
Cena da abertura do game, com os personagens principais enfrentando os inimigos Children of Hargon

Você começa o game em um barco, raptado por esse mesmo grupo. Eles viajam pelas ilhas coletando “builders”, pessoas com o dom da construção e criação.

Seu destino parece não ser muito promissor, mas ironicamente eles precisam da sua ajuda para reparar o barco e construir ferramentas. O navio acaba naufragando, e você acorda na “Ilha do Despertar”. Essa é a sua ilha base, e você pode construir onde quiser. No primeiro game havia áreas delimitadas para criação.

E é nessa ilha que você encontra Malroth, um NPC que sempre te acompanha e te auxilia nas batalhas.

 

Você é o herói, mas também precisa de ajuda!

Dessa vez os NPCs têm mais autonomia. Inclusive Malroth, seu parceiro de aventuras, foi uma ótima adição. Batalhas não eram o ponto forte do primeiro game, e no segundo continuam quase a mesma coisa. Muitas vezes batalhas acabam atrapalhando quando tudo o que você quer fazer é apenas coletar algum material. Com Malroth na jogada, ele despacha os inimigos pra você sem te atrapalhar muito.

Parceiro NPC Malroth despachando inimigo
Malroth dá conta do inimigo enquanto o jogador se foca em outras atividades

Demais personagens também te ajudam nas suas criações. Há projetos de construções enormes e impressionantes. Se eles fossem construídos pelo jogador apenas, seriam bem maçantes. Ao contrário disso, você conta com a ajuda dos aldeões! Agora não é só você que é o herói, mas todos se ajudam de uma forma ou de outra.

O equilíbrio entre criar e construir é excelente. Quando você se cansa de criar, você pode simplesmente construir algo. Cansou de construir? Você pode sair e explorar, ou então bolar alguma nova estrutura.

 

Dragon Quest Builders agora é multiplayer?

O ponto menos interessante do game é o multiplayer. Desde que anunciaram o game, multiplayer tinha sido um dos destaques. Eu estava convencido que seria possível jogar o game inteiro com amigos. Mas você só pode convidar amigos em um modo bastante limitado que não te permite acessar as ilhas onde a história do jogo acontece.

Captura de tela de quatro amigos jogando Dragon Quest Builders 2
Quatro amigos juntos na ilha multiplayer do game

Então o modo multiplayer é basicamente um modo criativo de Minecraft em que todos se juntam para construir. É possível chamar até três amigos (num total de 4 pessoas) e você pode ir até a ilha deles, ou chamá-los na sua.

O modo multiplayer precisa ser ativado, e só é liberado depois que você completa a primeira ilha, o que pode acontecer em torno de 10 a 20 horas após o começo do jogo. Creio que fizeram desta forma para se certificar que todos os jogadores tenham acesso às receitas e ferramentas mais básicas.

 

Algo para quem sempre quis mais de Minecraft

Dragon Quest Builders 2 foi lançado dia 12 de Julho para Playstation 4 e Switch. Se você comprar a versão física, é o preço normal de lançamento AAA, $60 Americanos ou $80 Canadenses. No Brasil, o preço é conversão direta no Playstation: salgados R$250.

Nas lojas virtuais, há a possibilidade de comprar um pacote com o season pass. Eles adicionam novas ilhas, uma apenas para coletar materiais e outra que promete NPCs e quests. Também trazem uma porrada de novos itens para construir.

Se você comprar o season pass, você também recebe um item de vestuário, Designer’s Sunglasses. Mas você pode comprar cada pack separado por um preço reduzido. Aí nesse caso você não ganha os óculos de sol, mas pode escolher qual dos packs te agrada mais.

Confira o trailer!

(7)

Vagner Albino Nascido no Rio Grande do Sul, atualmente mora no Canadá e está sempre procurando pelas últimas novidades no mundo dos games. Seus jogos favoritos são RPG, aventura, música e indies, e ele mesmo já desenvolveu diversos pequenos jogos e interações para a plataforma Twitch, onde esporadicamente faz algumas transmissões.

Deixe um comentário

Por favor Faça Login para Comentar
  Acompanhe respostas por e-mail  
Notificar