Home Games Starlink: Battle for Atlas não terá uma segunda leva de colecionáveis
Starlink: Battle for Atlas não terá uma segunda leva de colecionáveis

Starlink: Battle for Atlas não terá uma segunda leva de colecionáveis

10
0

Você já ouviu falar de Starlink: Battle for Atlas? Se você não tem um Switch, provavelmente nem lembra da existência deste game. Lançado entre diversos outros grandes títulos, em especial Assassin’s Creed Odyssey e Red Dead Redemption 2, Starlink passou batido no radar de muita gente.

Um dos aspectos mais marcantes do jogo foi a inclusão do time Star Fox (do clássico jogo homônimo) da Nintendo. O que muitos esperavam ser apenas uma pequena participação especial, acabou se tornando em conteúdo extra com forte presença durante toda a extensão do jogo.

Montagem com captura de tela das apresentações dos membros do time Star Fox no jogo Starlink: Battle for Atlas
Cenas das apresentações de cada membro do time Star Fox em Starlink: Battle for Atlas

 

Starlink: atrasado para a festa?

Starlink: Battle for Atlas é um jogo de exploração espacial. Ele se enquadra no gênero conhecido em inglês como “toys-to-life” – ou brinquedos [trazidos] à vida. Nesse gênero, você coleciona brinquedos (geralmente estatuetas de personagens, armas e veículos) que, quando colocadas em uma base, se materializam no seu game e se tornam interativas.

Esse tipo de jogo se popularizou com Skylanders: Spyro’s Adventure, lançado em 2011 pela Activision. Games desse tipo já existiam, mas nunca tinham alcançado o sucesso de Skylanders. O aspecto físico dos brinquedos teve grande apelo não só para crianças, mas também fãs que gostam de colecionar memorabilia dos seus personagens favoritos.

O sucesso foi tão grande que diversas outras grandes empresas introduziram seus próprios toys-to-life, incluindo Nintendo com os Amiibos e a Disney com Infinity. Teve até Lego toys-to-life.

O problema, então, acabou sendo a saturação do mercado. Os brinquedos, por mais que tivessem um preço acessível, acabaram se tornando caros quando se buscava completar a coleção. Ou pior ainda, quando se tentava ter diversas coleções! Em 2017, a maioria dessas empresas já tinha cancelado a produção das suas séries de games toys-to-life.

Foto promocional de um kit inicial do jogo Skylanders Imaginators da Activision com base, três personagens e um cristal
Kit inicial de Skylanders Imaginators com base, estatuetas e cristal, um dos maiores sucessos do gênero toys-to-life

 

Starlink entra na batalha!

Starlink: Battle for Atlas foi lançado no final de 2018 pela Ubisoft. Gamers e críticos estavam céticos quanto ao lançamento de um jogo nesse estilo depois do cancelamento de tantos outros que vieram antes. Toys-to-life já não era mais novidade, então qual seria o apelo?

Ao contrário dos outros games, com foco no público infantil com seus personagens coloridos e cartunizados, Starlink tem um ar mais maduro. Me pergunto se a Ubisoft esperava que Starlink fosse o próximo passo na evolução do gênero. Um toys-to-life para aqueles que tinham suas coleções na infância, mas que amadureceram e perderam interesse pelos jogos antigos.

Não me entenda mal, Starlink é bastante colorido, com um tom leve e jovial, mas o gameplay tem um apelo mais abrangente. Eu, por exemplo, nunca tive interesse em Skylanders porque o game parecia simples demais. Nos dois primeiros títulos da série os personagens nem podiam pular. Mas com Starlink eu me apaixonei quase que instantaneamente.

E muitas das pessoas com que conversei na internet também tiveram a mesma experiência. Inicialmente cétios, ao experimentarem o game, foi como amor à primeira vista.

Imagem promocional de Starlink: Battle for Atlas com duas naves explorando um dos planetas do Sistema Atlas
Nota-se um tom mais maduro no estilo do game com formas angulares, apesar de ainda ser bastante colorido

 

Um bom jogo, mas… por que toys-to-life?

A reação dos consumidores foi bem mista no lançamento. Muita gente não sabia que o game poderia ser jogado sem as miniaturas, e os que sabiam culpavam a Ubisoft por ser “ganaciosa”.

As versões digitais dos brinquedos custavam muito menos do que as versões físicas por motivos óbvios. Se você ignorar o aspecto físico do game inteiramente, o jogo digital completo custaria um quarto do que você gastaria comprando todas as miniaturas no seu preço original.

O jogo é muito bom, mas o charme é poder ter a versão física de todas as naves, armas e personagens. A qualidade dos brinquedos é ótima, especialmente das naves, robustas e com design interessante. Eu, que não tenho interesse em ficção científica ou jogos espaciais, acabei comprando a coleção completa, inclusive os exclusivos.

Foi uma jogada interessante. Atrair os gamers com um jogo sólido e competente, e com isso chamar atenção ao aspecto físico do mesmo. A tentativa de revitalizar toys-to-life foi venerável. Nota-se o esforço que colocaram na criação do game; foi um projeto liderado pela paixão dos desenvolvedores. Mas, infelizmente, só essa paixão não foi suficiente.

Foto de uma das naves miniatura do jogo Starlink: Battle for Atlas
Minha nave favorita; os detalhes são fenomenais

Os estoques estavam literalmente juntando pó nas lojas aqui no Canadá. Na tentativa de incentivar os consumidores, a Ubisoft passou a dar descontos de no mínimo 50%. E foi então que achei viável investir na coleção física. Com preços pela metade, completar a coleção se tornou uma ideia muito atraente. Ainda assim, com todos esses descontos, os brinquedos continuavam nas prateleiras. Em algumas partes da Europa, chegaram a ser vendidos por 1 Euro a unidade.

 

Uma história sem final feliz?

Os fãs estavam ansiosos por uma segunda leva de miniaturas. Era de se esperar que estivessem em produção, considerando que a versão japonesa ainda não foi lançada (marcada para o final deste mês). E o fato que foi confirmado três novos pilotos, o resto do time Star Fox, aumentou as esperanças.

Até então apenas Fox McCloud tinha recebido sua própria estatueta. O resto do time aparece em cenas do jogo e interagem com Fox, mas só se pode jogar com o raposo. Pegando todo mundo de surpresa no Nintendo Direct de Fevereiro, foi confirmado que seria possível jogar com Falco, Slippy e Peppy também. Naturalmente que personagens tão ilustres teriam miniaturas, não é mesmo?

Mas ao observar as quedas constantes de preço, e os descontos inclusive da versão digital, o cancelamento dos brinquedos parecia ser o próximo passo lógico a se tomar. Ainda assim, dói o coração. Tenho três das naves na minha mesa de trabalho, e eu estava ansioso para poder colecionar mais. Ou ao menos ter as miniaturas do resto do time Star Fox.

 

Uma bênção disfarçada?

Alguns dos fãs estão dizendo que esse cancelamento do aspecto físico do jogo veio como uma bênção. Assim a Ubisoft vai poder focar recursos que seriam usados para produzir novos brinquedos em novo conteúdo digital para o game.

Tirando o pessoal do Star Fox no Switch, haverá uma atualização considerável para as demais plataformas também. Junto da triste mensagem da semana passada confirmaram que, além de alguns novos modos de jogo, haverá novos pilotos, armas e naves.

Inclusive já é possível ver alguns dos pilotos que serão incluídos no game. Numa atualização menor anterior, incluíram por engano os retratos de diversos novos pilotos que ainda não estão disponíveis no jogo base. Itens introduzidos nessa atualização também fazem referência a pelo menos um novo tipo de nave. E imagens no Twitter deles mostram as naves com novos tipos de arma também.

Captura de tela dos menus do jogo Starlink: Battle for Atlas mostrando novos personagens que ainda não estão disponíveis no jogo
Captura de tela destacando os retratos de alguns dos novos pilotos que ainda não podem ser selecionados

Mas será que depois dessa atualização o jogo continuará a florescer? Afinal, ao meu ver, estavam preparando esta grande atualização para o lançamento japonês. O pessoal ama Star Fox por lá, então é lógico que esperariam para lançar o game no país quando tivessem o time todo disponível para jogar.

De uma forma ou de outra, Starlink: Battle for Atlas é uma conquista admirável. Mesmo com a perda do fôlego dos toys-to-life a Ubisoft decidiu arriscar. E apesar de ser menos do que gostaríamos, o que recebemos até o momento tem sido imensamente satisfatório.

Se você ainda não jogou Starlink, agora é o momento! Há diversas promoções, e pode ser que você encontre as miniaturas em um preço muito mais acessível do que eu quando comprei as minhas. Boa sorte, e boa aventura! 😀

(10)

Vagner Albino Nascido no Rio Grande do Sul, atualmente mora no Canadá e está sempre procurando pelas últimas novidades no mundo dos games. Seus jogos favoritos são RPG, aventura, música e indies, e ele mesmo já desenvolveu diversos pequenos jogos e interações para a plataforma Twitch, onde esporadicamente faz algumas transmissões.

Deixe um comentário

Por favor Faça Login para Comentar
  Acompanhe respostas por e-mail  
Notificar